quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Preciosismo não ajuda nos investimentos

Esta época é propícia para que apareçam dezenas, talvez centenas de zé ruelas dando pitacos sobre os rumos da economia brasileira e do resto do mundo. Estes gênios falam com propriedade, do alto de seus empregos nas maiores consultorias e veículos de comunicação especializados em finanças do país, e claro, dependendo da profundidade da profecia, não esquecem de colar o textinho "blablabla investir envolve riscos blablabla", já que ninguém adivinha nada.
 
 
O mundo ia acabar no ano 2000...
 
 
Todos os dias pipocam notícias sem importância alguma com previsões sobre o PIB, SELIC, Dólar, Bovespa e o que mais o freguês quiser se impressionar lendo. O que antes era exclusivo a pequenos grupos especulativos, presidente da república ou algum ministro mentindo na TV, migrou naturalmente para a internet, onde todos nós temos voz.
 
O que tem me irritado é ver vários analistas coadjuvantes dando sua opinião no mesmo veículo:
"Pafúncio da Silva diz que o PIB vai subir 0,2%. Já Madre Tereza diz que será 0,9%".
 
Este é um novo tipo de "disclaimer" pra poder manter o status de confiável, já que se eu disser que se o PIB vai variar entre -5 e +5 automaticamente acertei.
 

O pior é que pra dar esses palpites o cara tem que se tornar profissional da área, decorando um monte de baboseira e passando nas provas pra analista que tem por aí, senão a CVM ou alguma entidade por ai te pega.
 
Estudar tendências é interessante, mas nada substitui estudar os fundamentos seja lá do que for. É lá como o Barsi diz, eu não conheço analista rico.
 
Eu até escuto o que caras como o Ricardo Amorim e o Gustavo Franco tem a dizer, pois diferentes dos bundões, eles não te atiram pro moedor. Preciosismo não adianta de nada em lugar nenhum. Nem em investimentos nem na vida. Temos que ser práticos.
 
Tenho um amigo que nos últimos anos comprou produtos recomendados pela corretora e até que se saiu bem... Agora está com vontade de dar um passo além e adivinhem no que o cara se foca? Analisar fundamentos, investir em valor? Que nada, todo dia aparece um método que o cara tal usou e ficou rico, um produto tal que paga 0,x% a mais, e as malditas previsões que apontam que os juros estão caindo e ele está sendo feito de bobo e vai perder dinheiro se não agir rápido.
 
Investir é complicado tanto quando você segue as dicas de alguém e se dá mal, porque ai quer largar o mercado, quanto segue e se dá bem, pois fica viciado em girar e achar o que ninguém achou ainda.
 
Investir não é, nem tem que ser ciência de foguete.
 
 

segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Investidores perdem dinheiro no RS

Mais uma vez acontece. Segundo a reportagem, um homem prometia 2.5% ao mês de juros pelo dinheiro de investidores através de uma espécie de financeira.

Link da matéria

No começo os investidores recebiam regularmente a renda sem qualquer problema, provavelmente através de dinheiro novo que entrava na pirâmide ou do seu próprio dinheiro investido, até que parou de entrar grana e o responsável pelo esquema sumiu.

Praticamente detonou a economia da cidade inteira. Um cara vendeu a fazenda e investiu 900k!

2.5% ao mês... A ignorância sobre finanças não conhece limites, principalmente quando alguém "de confiança" que trabalhou na área aparece com uma conversa atraente.

Não sei se isso ai foi golpe, a mídia destrói a reputação das pessoas sempre que quer. O que sei é que a gente sempre inventa uma desculpa pra forçar nosso dinheiro a ganhos impossíveis.

Em finanças pessoais não perder é ganhar. 

Quem aplicou dinheiro com este homem e não diversificou provavelmente vai morrer pobre.



terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Canal Bloomberg e Peter Lynch

Olá amigos, post rápido para iniciar o ano tranquilo.

Tenho a sorte de ter o canal Bloomberg na TV, onde passam vários programas e noticiários sobre investimentos e entrevistas com os gurus. A despeito do desserviço que essa gente presta no geral, queria muito que existisse um canal assim no Brasil pra difundir a cultura capitalista.

Não tem como não admirar os USA, onde o povo é essencialmente contra o estado e a favor da liberdade. Não existe pensamento monolítico como no Brasil e aqui em Portugal também que quem domina a mídia e a política são os esquerdistas.

Voltando ao Bloomberg, achei muito legal. Falam de economia e política o dia inteiro, enquanto tem um canto da tela com notícias e embaixo aparece o desempenho de ações, índices e commodities. Acho que só de existir uma coisa dessas além de apenas novelas e outras porcarias gramscistas, o QI da população em geral já aumenta.

O que não gostei foram os comerciais, praticamente só plataformas de home broker apresentadas como a chave pra ficar rico rápido como se fosse um jogo! Exatamente iguais aos comerciais de sites de jogos de apostas.

Falando em aprender sobre imvestimentos, estou lendo um livro FANTÁSTICO sobre o assunto. Learn to Earn (aprender para lucrar) de Peter Lynch. O primeiro capitulo do livro apresenta a história dos USA de um modo jamais visto. O lado financeiro. Quem pagou pelo que? Como tal fato histórico ocorreu e como foi financiado? Desejava ter estudado história assim desde a escola.

O primeiro capitulo pode ser lido na Amazon. Ali em "description".

No próximo post vou falar mais do método de escolha de ações e filosofia de investimento do Peter Lynch, hoje um investidor aposentado. Se você se interessa por renda variável LEIA ESTE CARA.


sábado, 31 de dezembro de 2016

Fim de 2016, o ano mais insano

Olá amigos,
Finalmente 2016 acaba. O ano mais maluco que vivi, tanto na política brasileira, fatos mundiais e vida pessoal.

Trump venceu nos USA e o PT perdeu no Brasil e isso foi bom.

Este ano não foi particularmente bom pra mim financeiramente. Não cheguei a perder dinheiro, mas não ganhei nada. O "projeto imigração" e abrir uma empresa obrigaram a pausar os aportes e protelar, por assim dizer, a IF. Não tenho do que reclamar, no fim o saldo foi positivo, como sempre prefiro enxergar.

Mais uma vez passarei sozinho a noite de Ano Novo, pois desta vez minha esposa estará trabalhando. Ela é sommelier de vinhos em um restaurante. Legal pra caramba.

Esse emprego novo dela me deixou entusiasmado, é o tipo de produto que vale a pena aprender a respeito e se especializar. Ela é uma profissional que fica cada vez mais valiosa e isso é sempre bom.

Claro, não sou a favor da pseudo-sofisticação (leiam o excelente post do Seu Madruga Investimentos sobre isso).

Em contrapartida tenho me sentido estagnado na minha loja. Não que não tenha o que aprender, tem, e muito. Aliás cada dia é uma guerra pois o salário depende de vendas e não de bater ponto. Uma experiência nova bastante dura...

Mas fico feliz por minha mulher trabalhar com algo interessante. Isso é importante na vida amigos, especialmente os mais jovens: busque trabalhar com algo que dê dinheiro em primeiro lugar, e em segundo que te torne alguém valorizado e interessante.

A loja está crescendo devagar. As pessoas estão começando a conhecer e comprar mais. E pouco a pouco vamos deixando de depender da renda passiva e economias deste nosso projeto. Fiquem ligados pois em breve vou descrever o que é necessário para se abrir uma empresa, de modo "polêmico" como meu post sobre como gerenciar pessoas.

Um bom Ano Novo a todos, com muita liberdade, saúde, aumento de patrimônio e alegria. 

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Sua obrigação fiduciária consigo mesmo

Estou lendo um livro (faz algum tempo que comentei, ainda não terminei...) fantástico chamado Me.Inc (Você S.A) de um dos meus ídolos da adolescência, Gene Simmons da banda Kiss.



Desnecessário descrever quem o cara é. Se não conhece use a internet.

Trata-se de uma autobiografia repleta de conselhos úteis e anedoctas de um cara saído da pobreza extrema, direto pro topo. Bem parecido com o livro do Arnold Schwarzenegger que já falei aqui.

O diferencial desse é ter uma parte "me.inc" onde o autor descreve como construiu sua riqueza e sua marca (você mesmo é sua marca mais importante, ele diz) e uma segunda parte "you.inc" com conselhos diretos para se alcançar o sucesso. 

Não espere enrolação, os conselhos são todos diretos, funcionam e foram testados. Ademais, nada ali segue o politicamente correto. Aliás, Gene não perde a chance de meter o pau no lixo politicamente correto seja onde for, entrevistas dele são sempre interessantes.

Como não terminei não vou fazer uma resenha mais completa, mas volto a falar dele por aqui.

A parte que quero falar é sobre um conceito que ele repete muito no livro, a "obrigação fiduciária consigo mesmo". Quer dizer que você tem total responsabilidade por aprender coisas úteis.



Ninguém mais além de você deve aprender sobre finanças, orçamentos, pricing, marketing, administração, línguas, "people skills", e o resto que a escola não ensina.

Alguém que lhe paga pouco por você não saber que seu produto vale mais não está sendo desleal com você. Você está, diz o autor. Você tem a obrigação de pesquisar tudo sobre seu produto, e sobre o que mais importa na vida, e ninguém mais. Trata-se de assumir total responsabilidade. Não tem que esperar que o governo te ajude, a obrigação é sua.

Não é auto-ajuda, nem um livro técnico. São observações que focam em ensinar o leitor a lucrar mais dinheiro durante a vida, sem blablabla.

Daqui a 18 dias acaba o ano e é uma boa hora pra fazer uma reflexão do que aprendemos e ainda precisamos aprender pra nos dar bem e ganhar dinheiro. Este ano eu mudei de pais e abri uma empresa.

A dificuldade deste projeto é talvez a maior que minha esposa e eu enfrentamos pois temos muita coisa nova pra aprender todos os dias. Fico esgotado, da medo, mas a responsabilidade total é só minha.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

Qual é o melhor curso universitário?

Amigos, vou dizer qual considero o melhor curso e o motivo. Quem quiser discordar, fique à vontade mas seja respeitoso com as profissões dos outros. O que escrevi reflete apenas minha opinião baseada na observação.

Vocês ja sabem que considero totalmente inutil cursar faculdade a não ser que seja para medicina ou engenharia civil.

Medicina porque o salário é imbativel. Um médico que consiga pagar universidade privada paga o investimento todo em dois anos após formado com relativa folga.

Engenharia é unanimidade aqui na blogsfera que é uma excelente carreira, mas não delimitam qual. Para mim, só a civil serve. Querem saber o motivo?

Eng. Química, mecânica, elétrica, de produção, alimentos, automação e seja quais mais existam por ai podem até valer a pena em relação ao resto das carreiras, mas te limitam a trabalhar como empregado em uma fábrica na periferia industrial de uma grande cidade. Se você sonha em trabalhar em uma fábrica por 14 horas, ficar 2 horas no trânsito e ser empregado como "analista de qualidade" porque o piso que o sindicato inventou é 7 mil reais, tudo bem. Se não, somente engenharia civil vai te abrir um leque grande de opções para levar uma vida legal.

Além disso essas carreiras são muito dependentes da situação econômica e tecnológica do país. Se der qualquer problema é o primeiro a ser demitido e o último a arrumar emprego, porque tem pouco e as fábricas só empregam quando são obrigadas por regulação do setor.

Aliás, formado nessas coisas as pessoas geralmente  dizem "sou engenheiro". O único que parece sentir orgulho é o engenheiro CIVIL.

Essas engenharias limitam 90% dos formados a ser empregado. Engenharia civil te da 90% de chance de ser dono da sua vida, seja abrindo uma empresa, seja construindo casinhas populares e assinando papelada pra alguém.

Alguns falam que engenharia está decaindo. Pode até ser verdade, mas a matemática é um filtro pra 90% da população e sempre será, blindando o mercado. Em relação aos picaretas, isso existe em todo lado.

Eu ia por TI como um bom ramo pois é uma profissão bem diferenciada onde não é qualquer um que exerce, mas já conheci muito profissional da área pobre que vive no meio de computadores desmontados na sala, formatando windows pra velhos por 50 reais e dando pequenos golpes de "sua placa queimou, consigo outra por 300 reais".

Outras profissões não vou comentar pois  pra mim a maioria é enganação. Quase tudo se aprende melhor por livros e na internet. Não tem emprego, salário é o mesmo sendo ou não formado, e as pessoas acabam desesperadas pra passar em um concurso ou virar professor e alimentar a máquina.

O curso que fiz é um dos mais inúteis que existe e um dia falo dele. Talvez não seja mais inutil que esses cursos que a única opção é virar professor de escola e jornalismo, que acho tão ruim que não sei como existe gente que cursa isso.


domingo, 11 de dezembro de 2016

No que vou investir pra aposentadoria?

Tinha escrito isso um tempo atrás e resolvi postar agora com essa coisa da reforma da previdência.

Saber investir é o maior segredo 


Pegando como base este post onde falo da importância de ter objetivos financeiros bem determinados, tenho pensado em como adequar uma estratégia visando minha própria aposentadoria.

Como sabem, não poderei depender da pirâmide financeira INSS e provavelmente de nenhum governo.

De qualquer maneira, o Brasil ficará velho antes de ficar rico. E a vida financeira de todos está em perigo.



Parar de trabalhar deveria ser um objetivo racional, pois a maioria das pessoas tem a sorte de alcançar a velhice quando nem o corpo nem a mente aguentam mais. O corpo até está vivo, mas se arrasta. Se for pobre, então, ainda pior.

Também porque trabalhar é chato. Só se trabalha pelo dinheiro. Claro que eu acredito que o trabalho dignifica o homem (e a mulher), e que o que vem de graça não possui valor, mas o dinheiro vem antes e o resto é valor residual.

Infelizmente nem todos pensam em formar poupança - e mesmo muitos que pensam não conseguem - e acabam com a corda no pescoço, trabalhando até o fim.

Uma das sacanagens que o governo faz é espalhar dados falsos sobre a expectativa de vida da população pra justificar reformas. Até parece que dá pra esperar  viver até os 80 anos com qualidade de vida em um país onde se morre assassinado indo comprar pão na esquina ou de diarreia no hospital. Não duvido que antes da próxima reforma a expectativa de vida oficial seja de 150 anos...

Outra coisa: mulheres deviam trabalhar o mesmo número de anos que os homens, pra começar. Aliás, elas não duram mais?

Bem, são tantos os absurdos nas regras atuais que a discussão daria um livro, mas isso não importa pra ninguém pois não podemos fazer nada a respeito.

Quem achou injusta a reforma... Get over it. Ninguém mandou acreditar na "Telexfree" do governo.

Eu detesto trabalhar, e refletindo bastante sobre o nível de conforto que o capitalismo trouxe, até podia me encostar na família e ficar assistindo chaves e sessão da tarde enquanto "estudo pra concurso" ou algo do tipo pro resto da vida, mas ser dependente assim seria baixo demais.

Projetei minha aposentadoria para os 50 anos. Nesta idade é provável que estarei todo detonado pelo trabalho nas intempéries e abusos do estado. Só vou querer ficar na praia, lendo livros e dando pitacos na vida dos outros, mesmo levando uma vida austera.

Como queria ser na idade avançada.


Poderia dizer que o ouro é o melhor investimento para este objetivo, mas mesmo ele é controlado pela máfia estatal com trilhões de toneladas em seus cofres e controle sobre garimpos, para garantir que manipulem seus preços. O grande problema de se investir em ouro é que é extremamente caro tê-lo em forma física, então não vale a pena pra mim por hora. Assim mesmo, fico atento para comprar joias de pessoas desesperadas.

Meu objetivo é ter, principalmente, casas de aluguel. Um pequeno prédio  (ou grande) ou condomínio de casas que me gerem renda mensal ou semanal. Imóveis são ativos reais e quase todo o resto é pó mágico, não custa repetir.

Nada aqui é recomendação de investimento.

Também não sei se minha geração vai se aposentar de verdade pois os robôs vão substituir gente como eu nos próximos 10 anos, e a criação de valor vai mudar tanto que o sistema financeiro inteiro vai virar de cabeça pra baixo, portanto os produtos financeiros que investimos atualmente podem perder totalmente seu valor.

Pensando além, até investir em imóveis pode ser um tiro no pé. Já tem empresas "imprimindo" casas em menos uma semana. O sistema capitalista de livre concorrência faz o valor de tudo baixar, porque com casas seria diferente?

Não da pra esquentar a cabeça com o que pode ou não acontecer. As pessoas pensam e levam a vida de acordo com regras artificiais criadas por burocratas esquerdistas semi-analfabetos hoje, mas que podem mudar a qualquer instante.

De que adianta calcular a aposentadoria para a idade x, se "do nada" o governo aposenta milhares de funças? E se ocorrer imigração em massa e o sistema público inteiro desmoronar? Se tiver guerra? Se um comunista chegar ao poder e socializar seu suado patrimônio? (Dilma Rousseff quase conseguiu). Essas coisas acontecem o tempo inteiro.

Durante a história, as armas, os metais preciosos, as terras e as empresas sempre tenderam a manter valor por mais tempo. É nisso que vou tentar diversificar.